Análise de Trilhas Sonoras – Ragnarok The Animation

RESENHA MORTÍFERA!

Ragnarok The Animation

Ragnarok - Trilhas Sonoras

Pode ser chato, pode ser sonolento, pode ser Ragnarok?

Ragnarok é um anime do gênero shonen exibido na televisão brasileira pela Cartoon network, Ragnarok é um anime em que é necessário tomar aquela cafeína, estar bem disposto, sabe como é, as atividades oníricas podem ocorrer a qualquer hora e seu corpo pode não estar mais responsivo, ou seja, você dorme. As trilhas sonoras que compõem este anime são aquelas em que você naturalmente percebe que ou são mal utilizadas, ou são de uma qualidade abaixo da média.

Ragnarok possui no total 26 episódios, mas possui apenas uma abertura e um encerramento, se é ruim? Imaginem o Roan como espadachim, até aí está tudo bem, a abertura representa corretamente e é o que deveria ser, mas como Ragnarok se baseia em um jogo, é natural que os personagens progridam e aumentem de nível, então a abertura e o encerramento rapidamente se tornam ultrapassados e é necessário criar algo novo. Nos episódios mais avançados do anime, nada na abertura e no encerramento bate com as características novas dos personagens, fazendo com que Ragnarok perca a credibilidade que já não tinha.

Ragnarok - Trilhas Sonoras II

As cores usadas na abertura e no encerramento são no geral cores mais claras, o que acaba dando um ar mais “felicinho” para a animação, as músicas são menos agressivas do que o padrão e enfatizam a letra mais idealista, é o que se espera de algo com título “we are the stars”. A cantora por trás da abertura e do encerramento se chama Yamazaki Maimi, tão conhecida ao ponto de que minha pessoa não foi capaz de encontrar algo sobre sua carreira.

Ragnarok - Trilhas Sonoras I

A trilha sonora de Ragnarok compromete o desenvolvimento e transmissão de sensações, sejam felizes, de drama, ou de ação, faz com que os momentos mais intensos não sejam bem aproveitados. Com certeza, Ragnarok perde muito quando o assunto é trilhas sonoras, me faz pensar que o pior ainda está por vir, é como eu digo esses seres humanos ainda tem muito para me surpreender.

 

-Opening (Abertura): We Are The Stars  (Indicação de Versão Anime ou Versão Full) – DESCONHECIDO:

-Ending (Encerramento):  (Indicação de Versão Anime ou Versão Full) –  DESCONHECIDO:

http://www.youtube.com/watch?v=4QLYum7TL6E

Carlos Akihito Oyama / CROW
5 de fevereiro de 2014, SP, São Paulo

 

Equipe da publicação:

Autoria: Carlos Akihito Oyama..
Direção: Lucas M. Rodrigues.
Edição: Jeferson Capizani.
Revisão:Lucas Moraes Rodrigues.
Tradução: Julio I. Arrivabene.
Roteiro: Lucas M. Rodrigues
Diagramação: Jeferson Capizani.
Redação: Lucas M. Rodrigues e Jeferson Capizani.
Produção: Carlos Akihito Oyama.
Publicidade: Jefferson Santos.
Colaboração: Julio I. Arrivabene.